Pesquisar

AmbienteGS

Mês

Junho 2016

O poster foi eleito entre vários trabalhos concorrentes e foi elaborado pelos alunos: César Silva, Débora Pacheco, Luís Silva, Mariana Baridó, Pedro Gaiolas e Rita Craveiro que começaram por idealizar uma árvore simbolizando a natureza. Passando à fase seguinte, elaboraram 12 frases e, partindo das mesmas, desenharam o elemento principal de cada uma. Foi realizada alguma pesquisa na net e finalmente complementaram o poster com outros pormenores a fim de criar algum impacto visual e, deste modo, criar um Eco-Código de conduta a ser seguido por toda a comunidade escolar no sentido de uma melhoria do ambiente na escola, em casa de cada um e na sua localidade.

DSCN2532

Anúncios

Na rota dos golfinhos roazes

DSCF3485

No âmbito do Programa Eco-Escolas e da Educação Ambiental teve lugar no passado dia 10 de junho um passeio até à cidade de Setúbal. A observação dos golfinhos constitui um dos pontos altos.

De manhã, o grupo constituído por 43 participantes, na sua grande maioria professores, visitou o Moinho de Maré da Mourisca localizado na Reserva Natural do estuário do Sado. Este moinho que remonta ao século XVII localiza-se mais concretamente na Herdade da Mourisca numa zona de sapal e salinas, tendo sido alvo de reconstrução, em 1995, pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas após anos em ruínas e ao abandono.

Já de tarde, o grupo entrou no barco “Costa Azul” para um passeio de mar, sol e algum vento com o objetivo primordial de fazer a observação dos 27 golfinhos em estado selvagem residentes no estuário do Sado, considerado pela UNESCO “Uma das mais belas baías do mundo”. Esta população de golfinhos que se alimenta, descansa e socializa no interior do estuário e na zona marinha adjacente constitui a única população residente em Portugal e rara no mundo. Os participantes, para além de terem ficado a conhecer o código de conduta no que concerne a sua observação in loco, ficou também a saber que os mesmos se distinguem através do tamanho, forma e cortes da sua barbatana dorsal e ainda que podem atingir uma longevidade de 45 anos, entre outras informações dadas pela equipa de biólogos que nos acompanharam no barco.

O reduzido efetivo populacional, o seu envelhecimento, as características intrínsecas à própria espécie e a degradação do seu habitat proveniente da ação antrópica ameaçam esta espécie singular em Portugal Continental e rara na Europa. Apenas a adoção de medidas que visem a minimização das ameaças extrínsecas e a conservação desta população de golfinhos roazes corvineiros, Tursiops truncatus, poderá permitir uma recuperação a longo prazo.

A escola está de novo de parabéns!

DSCN1929

Sim! A escola está de parabéns. Esta foi a foto que levou o nome da nossa escola além fronteiras. Para além de ter arrebatado o 1º prémio para a melhor fotorreportagem no mês de abril, a nível nacional, recebe agora o 1º prémio a nível internacional. 

A referida foto com o título Observação surpreendente e inesperada foi conseguida na Praia Velha aquando da atividade Coastwatch, em 8 de abril do corrente ano pondo em destaque um significativo grupo de crustáceos fixados numa boia de plástico. Percebe da madeira, de nome científico, Lepas anatifera, é um crustáceo hermafrodita, não comestível, pouco visível nas praias do concelho apesar de ser abundante no Oceano Atlântico. Ao contrário do percebe comum, que se fixa às rochas e é muito frequente nesta zona do litoral, aquele fixa-se em grande número a qualquer objeto flutuante ou mesmo animal marinho deslocando-se ao sabor das correntes. Diferencia-se do percebe comum pela coloração branca azulada das cinco placas calcárias separadas por um tegumento preto e pelo pedúnculo que se apresenta mais fino.

 

 

Por um Ambiente mais saudável

DSCN2310

Para assinalar o Dia Mundial do Ambiente, 5 de junho, e para culminar as atividades de cariz ambiental, está a decorrer na Escola Guilherme Stephens desde 3 de junho até ao final do corrente mês, uma campanha de recolha de resíduos aberta a toda a comunidade. A salientar a “Campanha de Papel por Alimentos” e “Campanha da Tampinha da Solidariedade”, ambas de cariz solidário. A destacar ainda a receção de: rolhas de cortiça com o intuito de ajudar a financiar a plantação de árvores autóctones; de óleo alimentar usado; pequenos / médios eletrodomésticos em final de vida e pilhas.

No dia 6 de junho, teve lugar uma campanha de limpeza do recinto escolar levada a cabo por um grupo de alunos da turma G, do 7º ano.

Incentivar os alunos a pôr em prática ações de melhoria, preservação e conservação quanto ao meio envolvente é um dos objetivos inerentes ao Programa Eco-Escolas, pelos quais a escola se pauta e vem seguindo ao longo de 20 anos de inscrição naquele projeto ambiental nacional.

 

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑