Pesquisar

AmbienteGS

Como vai a horta pedagógica

DSCN4874

No início do ano letivo, a coordenadora Eco-Escolas em conjunto com um grupo de alunas procederam à mistura da terra existente nas caixas de esferovite com terra nova e, de seguida, começaram a plantação de alfaces, couves, brócolos, salsa e hortelã. Semeou-se, depois, coentros, alhos franceses, favas, ervilhas, nabiça, nabos greleiros e rabanetes. Ao longo do 1º e 2 º períodos, procedeu-se também à produção do cogumelo Pleurotus que foi mais uma vez o delírio de jovens e adultos pelo seu rápido crescimento.

Bons e divertidos momentos são passados na pequena horta que funciona sem dúvida alguma como uma terapia.

Anúncios

Dia Mundial da Árvore

    DSCN5236

Dia 21 e 22 de março, para comemorar o Dia Mundial da  Árvore, os alunos do oitavo ano visitaram o Paul de Tornada, junto a Caldas da Rainha. Esta visita tinha como objetivos conhecer a flora e a fauna de uma zona húmida e ainda proceder à plantação de sobreiros descendentes do sobreiro centenário existente no recinto da nossa escola. Debaixo de um sol radioso, os alunos limparam várias zonas do terreno e, posteriormente, com todo o cuidado, plantaram as novas árvores que já tinham dois anos. Missão cumprida.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

COASTWATCH  2018

DSCN5101

Na rota dos Resíduos

    No dia 20 de fevereiro, no âmbito do Programa Eco-Escolas, da Educação Ambiental e da disciplina de Ciências Naturais, teve lugar a atividade Coastwatch realizada anualmente numa área da nossa costa pela eco-turma 8º E.

    A atividade está integrada num projeto europeu promovido, no nosso país, pelo Geota e que consiste na caraterização da faixa costeira em troços de 500 metros sendo que este ano o projeto está subordinado ao tema “Deixa a tua praia respirar”.

    Já no areal, os alunos divididos em três grupos procederam à monitorização da costa desde a Praia da Concha até às Pedras Negras fazendo o levantamento/registo dos resíduos encontrados, dos animais vivos ou mortos, com ou sem alcatrão, das plantas dunares e/ou invasoras, da erosão costeira, assim como da pressão antrópica.

    A eco-turma, acompanhada pela coordenadora Eco-Escolas e dois professores de Ciências Naturais, procedeu também aos registos fotográficos, entre os mais relevantes a quantidade e a diversidade de lixo encontrada como os nefastos plásticos de todas as cores e feitios, material médico, isqueiros, garrafas de vidro e plástico, diversos aparelhos de pesca, os tão publicitados e perigosos microplásticos, entre outros. Quase no final da atividade, perto das Pedras Negras, cerca das 14 horas, o primeiro alerta para a GNR era dado, pois um golfinho em estado de decomposição não muito avançado encontrava-se no areal trazido possivelmente pela maré cheia. Logo após este encontro inesperado, mais um alerta era dado para a GNR de S. Pedro de Moel: o grupo encontrou um engenho explosivo contendo fósforo, com alto teor de perigosidade, o qual foi detonado ao início da noite.

   Para minimizar este cenário desastroso de poluição no areal, os alunos do 7º e 8º ano vão participar em mais uma campanha de limpeza da Praia Velha subordinado ao tema “Vamos limpar o mar” que terá lugar no dia 20 de abril a fim de comemorar o Dia da Terra e o Dia Eco-Escolas.

 

Rota dos parques 3

 20180207_150757

  No âmbito do Programa Eco-Escolas e da Educação Ambiental, decorreu no dia 7 de fevereiro a terceira edição do passeio em bicicleta Rota dos Parques 3 com o objetivo primordial de despertar consciências entre a população estudantil mais jovem mas também junto dos pais e encarregados de educação que acompanharam os seus educandos.

O evento incluiu a passagem pelo Parque das Bernardas, pelo Parque Mártires do Colonialismo, Jardim Luís de Camões, Parque da Cerca e por último o Parque das Merendas da Portela, já na orla oeste da cidade, num percurso cerca de nove quilómetros.

Comemoração do Dia da Floresta Autóctone

 

DSCN4712    Dia 23 de novembro, foi comemorado, na Escola Guilherme Stephens, o Dia da Floresta Autóctone com uma sementeira de bolotas de carvalhos, cedidas pela Autarquia, e bolotas do nosso sobreiro centenário.

    Tendo como cenário a majestosa e verdejante árvore autóctone, os alunos do 3º e 4º anos, assim como algumas turmas do 2º e 3ºciclos semearam as bolotas no sentido de todas germinarem com a finalidade de mais tarde serem plantadas em zonas ardidas para ajudar a reerguer a nossa floresta. Todos os participantes manifestaram muito interesse pela atividade, tendo prometido que iriam cuidar da nova árvore.

    A partir de gestos úteis e imprescindíveis no que concerne a educação ambiental se sensibiliza os mais novos a preservar e a proteger o planeta.

DSCN4707DSCN4695DSCN4683DSCN4715DSCN4717DSCN4713DSCN4688DSCN4676DSCN4679DSCN4721DSCN4698DSCN4705DSCN4680

 

Hastear da Bandeira Verde Eco-Escolas

DSCN4749

 Hastear a Bandeira Verde Eco-Escolas, pela 21ª vez, consecutivamente, é sem dúvida, motivo de orgulho para toda a comunidade escolar. Mais uma vez, o trabalho diversificado realizado ao longo do ano letivo anterior na área da educação ambiental foi reconhecido pela Associação da Bandeira Azul da Europa.    Ao longo de 21 anos, a comunidade educativa, em conjunto com o Município e Junta de Freguesia da Marinha Grande, o Jornal local, entre outras instituições ajudaram a dar passos no sentido de alterar atitudes com o objetivo de melhorar o meio envolvente de todos e de cada um de nós. O dia de ontem foi o exemplo vivo do que acabei de referir. Alunos e professores de vários estabelecimentos de ensino do concelho e diversas entidades deram um valioso contributo para reerguer a floresta tão importante para todos e para a sustentabilidade do planeta. Neste momento de perda tão sentido, especialmente para todos os marinhenses, é essencial que mais ações de reflorestação sejam levadas a cabo a fim de o verde começar a emergir e a sobressair na paisagem agora inóspita.

DSCN4740DSCN4739DSCN4736DSCN4737DSCN4748DSCN4745DSCN4756

Festa das Bandeiras Verdes

   DSCN4576.JPG

  Cinco alunos da Escola Guilherme Stephens acompanhados por quatro professoras coordenadoras Eco-Escolas, alunos da Escola Calazans Duarte e a representante do Programa Eco-Escolas no Município deslocaram-se a Mafra, no dia 27 de setembro com o objetivo de participarem no evento anual “Dia das Bandeiras Verdes”.                                       O grupo teve oportunidade de participar em variados ateliers e workshops assim como visitar a eco-mostra e assistir a diversos momentos culturais levados a cabo por escolas e entidades de todo o país. De salientar, o entusiasmo esfuziante e o orgulho estampado no rosto de cada um dos jovens quando o momento mais solene se aproximou: a entrega do tão esperado Galardão, a Bandeira Verde Eco-Escolas, que iria rumar até à  cidade da Marinha Grande para, posteriormente, ser hasteada à entrada principal da escola como sinónimo do trabalho realizado no que concerne a Educação Ambiental há mais de vinte anos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Actividades realizadas no ano letivo 2016/2017

 

 

 

Em pleno Douro Vinhateiro

DSCN4335

No âmbito do Programa Eco-Escolas e da Educação Ambiental para professores e funcionários, realizou-se no passado dia 10 de junho, um passeio até à cidade nortenha Peso da Régua, última atividade do Plano de Ação da escola, no que concerne a área ambiental.

Bem cedo e rumando até àquelas paragens transmontanas, o grupo foi recebido numa quinta vinícola, junto ao Miradouro de S. Leonardo da Galafura, pelos seus anfitriões, com uma extraordinária amabilidade e simpatia para não falar dos acepipes à disposição.

Já na margem esquerda do Douro e com uma vista privilegiada para a cidade, esperava um almoço rico em iguarias da zona. Entretanto, a cidade acolhia o grupo após um percurso pedestre pela ponte desativada, sobre o Rio com o objetivo de apanhar o comboio até ao Pinhão. Durante a viagem, sempre de braço dado com o rio, sobressaía, a cada passo, uma paisagem indescritível, um recanto de beleza natural, como se das águas cristalinas emergissem.

Findo o percurso Régua – Pinhão, seguiu-se um momento de convívio junto ao cais de embarque que mais tarde serviria para acolher o barco que levaria de regresso o grupo até à Régua. Nova viagem repleta de emoções por rio abaixo e que tanto inspirou o poeta Miguel Torga. Da Barragem de Bagaúste já se começava a vislumbrar uma das três pontes com o nome do poeta, em sua homenagem.

Sem dúvida, um dia inesquecível em que a beleza verdejante da paisagem recortada e serpenteada pelo Rio Douro, foram os pontos altos colidindo com um enriquecimento da consciência ecológica de todos e de cada um dos participantes.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Site no WordPress.com.

EM CIMA ↑